Archive by Author | Gabriela Dal Toé

Boa noite, tristeza.

Sair do ônibus, ir até o empório de alta qualidade num bairro de classe A-B, andar alguns leves e curtos passos, cumprimentar o porteiro, olhar para o céu e para os prédios altos em volta pensando que deitar naquele chão gelado seria o certo a se fazer, entrar no elevador e apertar o número quatro, olha para o espelho e reparar nas profundas olheiras, passar uns bons minutos procurando a chave e, enfim, conseguir abrir a porta do apartamento.

Eram as sextas feiras que ela gostava de ter. Apesar de sozinha, não se sentia solitária naquele vasto prédio de 16 andares, com as paredes da sala de estar que formavam um arco e faziam o prédio todo mais parecer um grande canudo vidrado. Bastava apenas esquentar o prato congelado por 5 minutos, abrir uma pequena garrafa de vinho e ajustar a agulha da vitrola no seu album preferido de jazz.

Aquele era o mundo perfeito.

Não havia questionamento algum sobre a existência humana, o universo, apenas lembranças de amores perfeitos em seus momentos. Das sensações de prazer e satisfação de alguém que, apesar de não ser amado, era agradável naquela época. Obviamente, tinha consciência do que era um amor. Sonhava com isso inegavelmente todos os dias.

O grande pesar era que ela já havia aceitado a opção de que seu grande amor não bateria à porta às 22 horas de uma sexta-feira. Já era sabido por toda humanidade que todos os bons moços estavam fazendo alguma coisa mais agradável com os amigos, com a família. Mas, absolutamente, não com ela.

Veja só você, uma moça, no auge da juventude, não tinha o menor interesse em interagir com pessoas da sua idade. Até se sentia afim de trocar uma ideia com o pessoal do trabalho. Contudo o amor, apesar de bem quisto, não era lá mais uma das suas grandes pretensões. Ela queria mesmo publicar seu livro, viver na boemia e gastar seus últimos dias com alguns gatos e um bom cão de guarda – de preferência -, no interior da França.

Sim, meu amigo, esta era uma sonhadora.

E, foi numa dessas sextas-feiras, que ao ouvir os miados de um gatinho vindo pela janela, seu coração bateu apertado (um pouco mais) e ela não resistiu. Desceu rapidamente os degraus do edifício, ignorou a chamada no celular que acabara de tocar, e foi em busca do bichano.

Felizmente, captou-o com amor e acariciou-o.

– Felício.

Ela houvera conferido para ter certeza ser um macho. O único que aceitaria seu carinho num dia de tributo aos amantes. Ela apostava que jamais seria feliz com um ser humano. Era muito amargo ali dentro. Não teria como explicar.

Subiu novamente o elevador e teve certeza que proporcionaria ao novo amigo um lar confortável. Pôs um amontoado de cobertores antigos com cheiro de armário velho num cantinho da área de serviço, e passou pelo menos quinze minutos maquinando uma maneira de providenciar uma caixa de areia.

O celular voltara a tocar.

Ela ignorava. Não devia ser nada especial.

O gato miava de fome.

De súbto tomou de volta consciência e despejou num pote de sobremesa alguns goles de leite fresco. Observar o prazer de outro ser era confortante. Era ter certeza que não havia solidão neste mundo.

O celular tocava pela terceira vez, mas ela apenas desligou o aparelho sem dar muita bola para quem a chamava do outro lado da lina. Ficou ali, absolutamente feliz com uma nova amizade. Com certeza um amor que poderia durar uma vida inteira.

 

Curiosidades cafeínicas

 

 

Veja a seguir alguns fatos curiosos sobre a produção e o consumo do nosso tão amado café pelo mundo. 

4faa5217c65ebcb5c583ab8828fc686b

Ilusões

O que é uma ilusão? O você vê é de fato o que está vendo? Quando mudamos nosso ponto de visão, nosso olhar muda. E o objeto, se transforma?

O que acontece conosco quando nos desiludimos? A percepção da ilusão se transforma em realidade.

Samm Hodges escreveu e dirigiu o curta chamado Illusions, o qual é parte de uma série de oito vídeos ainda não lançados. Com uma perfeita edição, trilha sonora e texto, nos faz refletir sobre a realidade e o mundo que não é perceptível. Até certo ponto.

Sete passos para a história perfeita.

Pensando nos escritores e leitores do blog, aí vai um infográfico bem legal para quem está criando uma estrutura e um plot para uma história. Desde escolha do gênero, personagens, até heróis e suas personalidades.

 


seven-steps

Aniversário na área!

 

 

Aqui no The Cook-Room Ideas, o mês de março é marcado pelo seu primeiro aniversário!

Foram 7,686 visualizações. Nossa tag mais publicada é Inspiração. O post mais visitado foi o “Ideias que inspiram”. A frase mais digitada em sites de busca, nos quais os leitores escreveram e encontraram o blog, foi “fotos bonitas de canecas“. Os países que mais visitam o blog, além do Brasil, são por ordem: Itália, Estados Unidos e Portugal.

E é por isso que só tenho a agradecer pelas visitas e pelo apoio ao que, para mim, foi no começo um simples diário onde anotar as coisas boas que encontro pela internet.

Valeu, galera!

anuncio-blog

Fitzgerald e o sonho de uma época.

Um dos escritores americanos mais renomados do século XX, Scott Fitzgerald sabia como ninguém retratar o espírito da década de 20. Passados quase 100 anos desde que Fitzgerald lançou seu primeiro livro, This Side of Paradise (Este Lado do Paraíso), o post de hoje é dedicado às citações do escritor que andam circulando pela internet.

Ainda atual, suas palavras falam conosco e geram identificação.

95aa26525eb2bb0854029a0a83a78dd5

b34d5b5748f6926c92b49ef1146846ad 5afa533afaa1fa012e3287117e450c13 dd78d9057736bfe66adf591968ee61a7

c03ee10d228ccab3f6bc29a1f3d93d48 e5e2ee6b6c6e67816ccdd1decb77f4f3

Som de ferro

Artista Gráfico de Movimentos Analógicos, assim se denomina o singaporeano Afiq Omar. Numa série de três vídeos, juntou a captura de imagens que demonstram propriedades de ferromagnetismo e “sons de outro mundo”, como ele mesmo diz, com a ajuda de uma  5D Macro 100mm.

No segundo vídeo da série, Omar fez uso de produtos químicos com base de ferro, sabão, álcool e leite, focado nos efeitos visuais analógicos e sua interação com forças invisíveis.

Ferriene, a terceira e última etapa do experimento, manipula tais efeitos visuais usando técnicas simples de edição para criar gráficos de movimentos naturais e orgânicos. A paleta de cores é semelhante à de pele humana.

Música: Vetor por Riga

Música: Afogado por Riga

Música: Amp espaço por Riga

Oh happy day!

Segunda feira pode ser a vilã de nossas vidas, mas nada nos impede de começar a semana com um bom café da manhã. Melhor ainda se ele sorrir para gente, não é? Olha só o que já está à venda na loja on-line MooohNão tem como não começar o dia com bom humor e trazer para fora o lado criança que nunca deveria ter sido escondido. 

8794716_large

 

5550757_large

7654942_large2554504_large

Música do coração

Num dos dias mais mais românticos do ano no mundo todo, o TCRI traz uma lista recheada de suspiros. Do amor eterno de Etta James a Ray LaMontagne, passando pela sutileza de Belle&Sebastian e com um toque de “vam-pará-de-melodrama-mas-os-durões-também-amam” do nosso estimado Bob Dylan, eis aqui uma trilha perfeita para um cafezinho após o almoço ou para o fim do dia.

‘Hope you all enjoy it!

Brief Simples

Um belo texto com simples imagens: eis aqui um exemplo de como fazer de um simples briefing algo encantador e emocionante.

Agência: AMVBBDO, London, United Kingdom
Criação: Tim Riley
Direção: Frank Budgen
Produção: Rupert Smythe
Pós-produção: Tom Sparks
Edição: Sam Sneade

%d blogueiros gostam disto: